Olhos D’água (GO): o que fazer nesse vilarejo encantado pertinho de Brasília

Quem quer paz, comida da roça, cachoeira e povo acolhedor tem que ir para Olhos D’água. O vilarejo de Goiás é distrito de Alexânia e fica a 123 quilômetros de Brasília e é ideal para quem busca tranquilidade. Se é o seu caso, leia até o final que conto tudo! Como chegar e o que fazer em Olhos D’água.

Minha história com essa cidade começou quando eu tinha 12 anos. Duas vezes por ano meus pais frequentavam a Feira do Troca, um evento que looooota a cidade. Depois de adulta eu descobri o lado B de Olhos D’água, que é o sossego. Diferente de Piri, Alto Paraíso ou Goias Velho, saiba que esse lugar não é mega badalado não.  

No último fim de semana fui lá com minha mãe e fiz um roteirinho básico do que fazer. Fomos num bate e volta de um dia só, mas super recomendo passar mais tempo lá! Vá num sábado, leve um livro e aproveite não fazer nada também. Se tiver crianças, vá até o pesque-pague.

O que fazer em Olhos D’água

Praça Santo Antônio  

Para começar, vá até a pracinha da Igreja dar um passeio pelo local. Aos sábados e feriados, tem a feirinha ali na praça. Tem artesanato e comidinhas gostosas. Mas a praça, por si só, já é um charme. Eu amo! A igreja é linda, as casinhas antigas coloridas também.

E um detalhe interessante. Estudos mostraram que a linha de Tordesilhas passa no meio da praça de Olhos D’água. A Linha veio do Tratado de Tordesilhas, que entre 1498 e 1750 serviu de limite territorial entre os domínios coloniais dos portugueses e dos espanhóis no continente americano.

Conversando com o Hélio, que mora lá há 20 anos, fiquei sabendo que no carnaval tem o bloco dos espanhóis e o dos portugueses e eles montam um cabo de guerra no local que passa a linha. No meu insta @babilins tem um video mostrando tudo. Tá no feed.

Barzinhos tradicionais

Se você curte beber cachaça ou cerveja, vai se achar em Olhos D’água. Tem vários barzinhos na cidade. Para tudo quanto é gosto. Tem boteco mesmo, tem bares que vendem cervejas artesanais e tem até Bar Museu!

O Bar museu é uma atração à parte, fica na pracinha. A Dona Cecília está lá desde 2002. Como ela viajava muito, tem recortes de tudo quanto é canto, misturado a pôsteres antigos, receitas de pinga, papel de carta e sei lá mais o que…

E ela é uma figura. Parece uma personagem do Gabriel Garcia Marques, misturando fantasia e realidade. Fiquei meia hora conversando enquanto bebia uma das misturas dela. E naquele bar você já entende que Olhos D’água não é correria. É local de prosa, de ver a vida passar. Aconselho a pinga com mel e limão. Paguei 5 reais pela dose.

Artesanato

Assim que você chega na cidade, já se depara com artesanato na porta de várias casas. Tem de tudo! A Maria Abadia vende bonecas e vasos, a D. Francisca tapetes trançados, o Seu Divino vasos de barro.

E vou te contar… tem umas peças bem peculiares por lá! Os primeiros santos de palha que vi na vida foram lá, antes disso ser normal. Achei uns bordados bem diferentões dessa última vez.

Antes da pandemia, o cenário cultural não se restringia ao artesanato. Nos fins de semana, tinha um forró na cidade. Ali na pracinha mesmo. Fora que volta e meia tinha apresentação de danças tradicionais como o catira, teatro de mamulengo e contação de histórias de manhã para as crianças.

Casas antigas de Olhos D’água

Caminhar para apreciar as casinhas antigas também é lindeza! Minha sugestão é deixar o carro na pracinha da igreja e bater perna. O vilarejo é para se apreciar com calma. Veja a variedade de cores, os telhados antigos, as pinturas nas paredes.

O curioso é que a cidade parece ser mais antiga do que realmente é. Isso porque a construção foi feita por mestres de construção de Corumbá, que queriam manter os mesmos modelos das antigas casas da região.

A cidade só foi preservada porque fica longe de tudo. Tanto que o povoado era autossuficiente. Plantavam, criavam animais, faziam suas roupas e utensílios. Não precisavam das outras cidades para quase nada.

Cachoeiras de Olhos D’água

Pra ficar melhor ainda… tem água corrente!!!! Tem a Cachoeira de Olhos D’água que fica dentro de uma propriedade particular. O dono não cobra nada, só pede que as pessoas levem seu lixo e ajudem a preservar o local.

Não tem placa para lá. Tem que ir perguntando. Para chegar na cachoeira é preciso ir até o balão da cidade e seguir as placas do Pesque Pague Paraíso (que vou falar depois). Na esquina antes da pontezinha você vê uma cerca aberta. É lá! Basta andar cerca de 12 minutos numa trilha mega fácil que você chega em um dos poços da Cachoeira.

São 3 cachoeiras. É só subir o rio para ver outras. As quedas são pequenas, mas o poço maravilhoso para o banho e ainda tem as hidromassagens deliciosas das quedas d’água. Quando fomos elas estavam vazias até o meio-dia. Depois começou a encher.

Além dessa, tem outros poços para banho na cidade. Um deles é o do Rio Galinhas, que fica logo na entrada. Não fui lá, mas os moradores disseram que é bem tranquilo também. Para quem quer mais emoção, sugiro ler o post sobre Mambaí, clicando aqui.

Pesque-Pague Paraíso

Eu tava na cachoeira e comecei a bater papo com uma moradora da cidade. Ela me sugeriu ir no pesque pague Paraíso, dizendo que lá tinha uma comida caipira maravilhosa. Como amo dicas de quem mora no local, fui!

Pai eterno, que belezura lá! É simples, mas para crianças deve ser o paraíso mesmo. Para começar, tem uma piscina natural deliciosa. As crianças estavam pirando. Tem também um ambiente para quem quiser levar redes, um pomar e o que eu mais gostei… um local para comer e beber dentro do Rio!!!

As mesas e cadeiras foram colocadas dentro do riacho mesmo. Você pode se servir ou pedir tira-gosto. Meu prato deu 12 reais. Eles também fazem drinks deliciosos. Chegue cedo, peguei uma das mesas na sombra, mas dentro do rio e seja feliz. A entrada custa 10 reais.

Outras opções do que fazer em Olhos D’água

Comprar produtos orgânicos! Sim!!! A dica é do Amora, meu amigo que sabe tudo de Cerrado. A Mano Velho, que, juro por Deus, tem o melhor flocos de milho para cuscuz do universo fica lá. Você pode comprar direto da produção!!!

Outra ideia é aproveitar essas trilhas para pedalar. Vi muuuitos ciclistas por lá! A região tem várias trilhas e estradões de terra sem muito movimento para você treinar. Já pode pegar a bike e ir direto para cachu. são cerca de 6 km do centro de Olhos D’água.

Alugar uma casa e confraternizar com os amigos. Eu só fui parar em Olhos D’água esse fim de semana por conta da turma do Desbrava.Trilhas que me chamou para comer galinha com pequi. Eles alugaram uma pousada com piscina e aproveitaram o clima bucólico para relaxar. Pode ser uma também!

Quer mais dicas de bate e volta de Brasília? Clique aqui para conhecer dez destinos no arredores de brasília.

Venha para o Time dos Descobridores!

Criei esse blog para sairmos da normalidade, do piloto automático e termos uma vida mais simples, divertida e equilibrada. Se você quiser receber toda semana os melhores posts de graça é só mandar uma mensagem de whatsapp para (21)  98377-6931 com a palavra QUERO e com SUA CIDADE e salvar o número! Se clicar aqui vai também! Mas lembra que tem que salvar o número na sua agenda.

Ah! Na página do facebook do Descobertas Bárbaras você encontra mais atrações!

Posts Relacionados

Novos Motorhomes para alugar em Brasília! Veja modelos

Descubra o chalé dos sonhos para relaxar ou ter uma noite romântica em Brasília

Recanto Carvalho (Fercal) une passeio rural pela natureza e história de Brasília

45 comentários

Loro 28 de setembro de 2020 - 21:35
Caramba , muito bonito mesmo bem pertinho né
Bárbara Lins 29 de setembro de 2020 - 20:33
Perto demais, Loro!!!
Alexandre Michael 10 de setembro de 2021 - 05:43
Nunca tinha ouvido falar nesse lindo lugar. Sou turismologo e nos próximos destinos vou incluir esse atrativo maravilhoso.
Bárbara Lins 10 de setembro de 2021 - 14:01
Nossa! Vai amar, Alexandre
Yze Alves 29 de setembro de 2020 - 09:21
Caramba, eu amei essas dicas, neste calor de Brasília eu estava doida pra ir em uma cachoeira sem aglomeração, acredito que ir pra lá será uma ótima opção. Já anotei tudo, de tudo der certo eu vou e volto aqui pra contar hahaha. Obrigada pelo texto esclarecedor! abraço!
Bárbara Lins 29 de setembro de 2020 - 20:33
Yze, só lembre de ir cedo!!! Com 35 graus tudo vai lotar!
Jorkyel carvalho 17 de julho de 2021 - 17:28
Quero conhecer amanhã, sou de Parauapebas PA estou aqui em Brasília parabéns pela dica
Sirley 3 de setembro de 2021 - 19:40
Que bacana! Pode dizer quando é a feira da troca?
Bárbara Lins 4 de setembro de 2021 - 18:21
Tá suspensa por conta da pandemia. Deve voltar em Dezembro!
Juliana Pinto 29 de setembro de 2020 - 09:26
Olá Barbara, muito legal o seu relato sobre Olhos D'Água. Deu até vontade de conhecer :) Sabe me dizer o nome da pousada, onde os seus amigos ficaram? Ou tem outras dicas? Obrigada ;) Juliana
Bárbara Lins 2 de outubro de 2020 - 06:25
Oi, Juliana! Eles ficaram no Recanto dos Ipês!
Wilson 29 de setembro de 2020 - 16:06
Adorei a dica!!! Obrigado
Bárbara Lins 29 de setembro de 2020 - 20:34
Disponha, Wilson!
MANOEL JEVAN 30 de setembro de 2020 - 09:09
Bela "descoberta" essa de OLHOS D´AGUA, o refúgio dos candangos! E parabéns pela "descrição literária" da Dona PERCÍLIA TORDESILHAS "memória viva" desse Vilarejo das Artes!
Bárbara Lins 30 de setembro de 2020 - 09:45
Fico feliz que tenha gostado, Manoel!
Hayane Fradique 30 de janeiro de 2021 - 14:56
Paga para ter acesso as cachoeiras e ao vilarejo olhos d'água???
Bárbara Lins 31 de janeiro de 2021 - 14:41
NAdinha, Hayane!
Maria 30 de setembro de 2020 - 21:11
Bom demais ❤️😍
Bárbara Lins 1 de outubro de 2020 - 12:12
muuuuito!!!
Michelle Lopes 3 de outubro de 2020 - 20:32
Oi Bárbara, gostei tanto das suas dicas que fui hoje lá conhecer, e realmente é um amor de lugar, muito tranquilo quando chega cedo, acabei conhecendo também a Pousada do Ouro, fica ao lado do Pesque Pague. Obrigada pelas dicas. 😊✌🏼
Bárbara Lins 5 de outubro de 2020 - 16:51
Uhuuuuuuuuuuuuu! Fico mega feliz, Michelle!!!
derismar florencio da silva 5 de outubro de 2020 - 12:57
como chega, passo por dentro de Alexania?
Bárbara Lins 5 de outubro de 2020 - 16:50
Isso, Derismar! Entra em Alexania.
Milton Córdova Junior 30 de dezembro de 2020 - 01:35
Que pousadas você indicaria?
Bárbara Lins 4 de janeiro de 2021 - 22:20
Milton, quando dormi, foi na casa de uma amiga... Vou descobrir e prometo outro post.
Rafael 30 de janeiro de 2021 - 19:54
Parabéns Bárbara perfeito.... sou de goiânia .... fazia tempo que procurava um conteúdo legal de locais pra visitar em GOIÁS.... fora os badalados que todos conhecem ....
Bárbara Lins 31 de janeiro de 2021 - 14:40
Fico muito feliz pelo retorno, Rafael!!!
Américo 25 de fevereiro de 2021 - 07:20
Amo passar em cidades pequenas
Bárbara Lins 25 de fevereiro de 2021 - 08:46
Eu também, Americo!
José 1 de outubro de 2021 - 09:19
Muito obrigado pelo texto; sabe se essas opções de lazer estão funcionando agora em 2021? Há alguma restrição?
Bárbara Lins 5 de outubro de 2021 - 16:00
Oi, José! Nenhuma restrição.
Aline Garcia da Cruz 19 de maio de 2021 - 17:14
Nossa já venho lendo sobre Olhos D'água mas ler seu texto,foi ainda mais encantador,parabéns Bárbara...Você sabe dizer se o pesque pague funciona às segunda feiras? Infelizmente só tenho folga na segunda,estou programando um bate volta(sou de Goiânia).
Bárbara Lins 22 de maio de 2021 - 17:47
Nossa, não sei Aline. Vou mandar uma mensagem no insta deles e perguntar. Vamos ver se eles me respondem.
naldo 21 de maio de 2021 - 11:41
Olha á, Bárbara, muito bacana essa publicação sobre Olhos D'água. Fiquei curioso em saber se o acesso da pracinha (igreja) até a chegada no Pesque-Pague é feito por trilha, qual a distancia mais ou menos e se é possível chegar até o local de carro ou moto. Grato. naldo.
Bárbara Lins 22 de maio de 2021 - 17:46
Naldo, tem que parar a moto perto e ir andando pela trilha para cachoeira. Para o pesque-pague, tem estacionamento.
naldo 21 de maio de 2021 - 11:42
Parabéns, Bárbara. É possível chegar de carro ou moto no Pesque-Pague?
Bárbara Lins 22 de maio de 2021 - 17:45
Oi, Naldo! É sim!
CARLOS HENRIQUE CAMELO NERI 6 de junho de 2021 - 06:46
Adorei a dica. Vou conhecer o lugar com minha esposa e meus filhos em um bate-volta.
Bárbara Lins 9 de junho de 2021 - 22:16
Vai curtir, Carlos!
Rebeca 5 de setembro de 2021 - 14:19
Adorei tudo, tava planejando mesmo ir pra lá, tipo de sábado pra domingo. Tem alguma dica de hospedagem?? Obrigada e parabéns
MARIA DAS GRAÇAS TAVARES ALBUQUERQUE 10 de setembro de 2021 - 12:24
Muito bom Bárbara! Já conheço e é uma delícia mesmo. Você tem o contato de casa para alugar com a turma?
Regina 5 de outubro de 2021 - 17:51
Parabéns pelo blog! Adorei suas dicas! Vc sabe se pode entrar com pet na cachoeira e no pesque pague? Obrigada!!!
Bárbara Lins 7 de outubro de 2021 - 15:32
Oi, Regina! Vou perguntar lá!
ZITO MOURAO 31 de dezembro de 2021 - 11:51
E sobre as pousadas? Tem alguma em especial
Bárbara Lins 7 de janeiro de 2022 - 17:34
Zito, acabei não dormindo lá, mas vou pesquisar!!
Adicionar comentário